sexta-feira, 30 de junho de 2017

Chegar a casa ou à casa



Lágrimas temos nós ao ver Patrício chegar à casa, com acento grave indicador da crase. A crase é a junção da preposição a com o artigo feminio a/as. Se Patrício chegasse à (preposição a + artigo a) casa também sairia da (de + a) casa. Mas todos concordamos que é muito mais usual sairmos de casa, certo? Então, também chegamos a casa, sem crase.

A excessão é se estivermos nos referindo a algumas casa conhecida, como a casa do BBB. Essa casa já é de conhecimento público, e até quem não assiste sabe que um bando de indivíduos se tranca numa casa por semanas a fio. Assim, se Bambam voltar à casa, todos sabem a que casa estamos nos referindo, e a crase passa a fazer sentido.

Uma outra situação com crase é quando nos referimos a uma casa específica, como Trump chegando à Casa Branca.


Correto: Eu chego a casa, sem lenço, sem documento e sem crase. 


Variações corretas:
  • Melania chegou à Casa Branca
  • Pedro chegou a casa
  • Maria chegou à casa de Pedro
  • Juan chega hoje à Casa Rosada

Vale notar que casa, assim como terra, são exceções à regra. Chegamos da igreja e vamos à igreja, chegamos do clube e vamos ao clube, mas chegamos a casa e chegamos a terra, se estivéssemos a navegar pelo mar.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Dar às caras



A crase é a junção da preposição a com o artigo feminino a/as. Para haver crase, é necessário que a frase tenha tanto a preposição quanto o artigo. No contexto do título da matéria, quem  dá, dá alguma coisa, e não a alguma coisa. Assim, Bibi perigosa deveria dar as caras, sem acento grave indicador da crase, e não às caras, como aparece na matéria.

Para tirar a prova, troque a palavra feminina "caras" por uma masculina, como "sinal". Bibi dá o sinal da cruz ou dá ao sinal da cruz? É claro que dá o sinal da cruz. Dessa forma, ela também deu as caras, sem o acento grave indicador da crase.

Há uma situação onde dar as caras  é seguido de preposição. Se a Bibi fosse uma moça no mínimo desprovida de senso de perigo, ela poderia ter dado aos caras em incêndio criminoso. Mas aqui também não teríamos a crase, pois o artigo utilizado seria o masculino.

Na maioria das vezes, porém, dá-se alguma coisa a alguém. Assim, Bibi poderia dar a bolsa às amigas. A crase, no caso, seria aplicada a quem receberia o objeto (as amigas), e não ao objeto (a bolsa).

Correto: Dar as caras, sem crase


domingo, 11 de junho de 2017

A toda a equipe


grato à toda equipe com crase?

O treinador Spallretti ficou, segundo a matéria acima,  grato à toda a equipe romana, e nós ficaríamos gratos se o texto não tivesse o acento grave indicador da crase. O técnico pode ser grato à equipe, ao time, à torcida, aos dirigentes, à sua mulher, à mulher do dono do time, às suas filhas, às amigas da filha, às sobrinhas do dono do time, à chinchila de estimação da mulher do dono do time ou a quem quer que seja, mas nunca à toda a equipe, com crase.

A crase é a junção da preposição a com o artigo feminino a/as. Para podermos usar a crase aqui, teria de fazer sentido ser grato a (pronome) a (artigo)  toda a equipe. Pronomes indefinidos como "toda" eliminam a possibilidade / necessidade de utilizarmos o artigo, já ocupam o seu papel.

Para tirar a prova, troque equipe (feminino) por time (masculino). O técnico ficou grato ao todo o time ou a todo o time? A todo o time, certo? Assim como não há artigo masculino junto à preposição a em "a todo o time", não há artigo feminino nem crase em "a toda a equipe".

Correto:a toda a equipe, sem crase


sábado, 10 de junho de 2017

Sujeito à Aprovação


Credito sujeito à aprovação

Crédito sujeito à aprovação, e texto sujeito a revisão! Como o o texto não se refere a uma aprovação específica, não se aplica o acento grave indicador da crase.

Se, por outro lado, o texto fizer referência ao tipo de aprovação, coloque a crase, sem medo.

Exemplos:

  • Sujeito à aprovação do gerente
  • Sujeito à aprovação do Serasa
Outras variações
  • Sujeito a multa / sujeito à multa prevista no código de defesa ao consumidor
  • Sujeito a revisão / sujeito à revisão do diretor

Correto: sujeito a aprovação, sem crase

quinta-feira, 8 de junho de 2017

A partir de



O time de marketing dessa concessionária precisa dar uma lida no nosso blog antes de fazer a próxima promoção da loja. Ano passado foi a oferta do novo ix35 2017, e este ano a promoção do New Elantra, sempre à partir de algum valor, com acento grave indicativo da crase.

Não se usa crase nestes casos. A explicação é simples: não se usa crase antes de verbos.

Por sorte, no caso do carro, se for adesivado, basta tirar a crase :-).


Correto: a partir de R$ 79.990, sem crase


Variações corretas:
  • A partir de amanhã, deixarei de fumar
  • A partir de julho, farei regime

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Ir a Julgamento


Seja você indo a julgamento ou a AGU pondo fim ao julgamento da correção da poupança, não usamos acento grave indicador da crase nestes casos.

Crase é a junção da preposição a com o artigo feminino a/as.  Julgamento é um substantivo masculino (o julgamento). Logo, nas situações onde fizer sentido usar artigo, será o artigo o o utilizado, e a AGU porá fim ao julgamento sobre correção da poupança -  jamais à julgamento. Neste caso faz sentido usar o artigo, pois o texto se refere a um julgamento específico. Qual? O da poupança.

Correto: 

  • Ir a julgamento
  • Vou a julgamento
  • Ir a leilão
  • Ir a fundo
  • Foi a pique
  • Fui a algum lugar
  • Ir a pé
De malas prontas para ir a Marte? Marte é um planeta (até ser eventualmente rebaixado, como plutão). Vamos a algum lugar. Aonde? A Marte. Ao planeta Marte. Vamos a Marte ou ao planeta Marte, mas nunca à Marte. 





terça-feira, 6 de junho de 2017

Vale à pena





Vale a pena ou à pena, com crase, pararmos todos de consumir produtos da JBS, como pergunta esta matéria
Como uma medida cívica sensata, e caso o leitor não seja funcionário ou parente de funcionário da JBS, sim, valeria a pena, mas sem acento grave que indica a crase. 

A crase é a junção da preposição a com o artigo feminino a ou as. Na expressão acima, não há a preposição, só o artigo. Faça o teste, trocando pena por um substantivo masculino, como esforço. O que parece mais correto, "vale o esforço" ou "vale ao esforço"? Sem dúvida a primeira opção, sem a preposição a. Sendo assim, se não há a preposição no esforço, também não há em pena. 


Correto: vale a pena, sem crase